21 de nov de 2010

Conversão de textos de Indesign para EPUB

Confesso que tenho deixado meu blog meio de lado.
Mas uma pergunta de uma garota fre-lancer(Janaina Salgueiro), no grupo revolucao-ebooks, e a resposta que um idiota deu (ebook é coisa séria, se não sabe fazer, peça demissão), me tirou do sério.
Daí resolvi postar uma parte do que já aprendi.

Primeiro, uso o Indesign CS5 pras conversões.
Não gosto do Calibre, nem do Oxygen.
Tem um outro programinha bom mas uso só pra textos novos, e que só sejam textos, como a maioria dos e-books que publicamos na Freitas Bastos, onde trabalho.
Pra conversão de arquivos já diagramados, prefiro o Indesign mesmo.

Os arquivos do Pagamaker não dão trabalho, apenas tem que ter um pouco de paciencia, principalmente quando feitos por diagramadores que que gostam de separar o texto, criando um monte de arquivos sobre postos.
Ficam pedaços de textos: titulos, sub titulos, legendas, citações, tudo separado do texto.
E o pior, as notas de rodapé são todas desvinculadas.
Ossos do oficio.
Já o Ventura, Deus me livre.
O Quark ainda não tive o desprazer de experimentar.

Voltando ao Indesign, o certo pra conversão é voce colocar todo texto num só layer.
E sempre trabalhar com estilos que serão a base do CSS.
Nunca usar fontes Type 1. Algumas Truetype tambem dão problemas.
O ideal é sempre fontes Opentype.

Nenhum arquivo sobreposto, todos encaixados dentro da layer de texto.
O leitor do epub sempre lê da esquerda para direita e de cima para baixo, portanto nada de tabelas e encaixes dentro de texto.
É possivel fazer, mas dá um trabalhão danado e quando ampliado num reader pequeno (smarthfone, por exemplo), fica horrível.
Outra coisa são as imagens que alguns deixam muito pequenos, outros ampliam demais.
O ideal é testar no Android, geralmente as imagens geradas para impressão (em 300 dpi), basta ampliar 1/3 do pdf que fica legal.
Não há problema se as imagens estão em CMYK, na conversão elas passam para RGB.
A imagem da capa, salve como png, fica melhor que jpg.

Por enquanto é isso, depois coloco mais dicas

10 de out de 2010

E-BOOKS EM EPUB GRATIS PARA DOWNLOAD - FREE EPUB

Caraca. Como tem picareta nessa wild word web.
Basta entrar no google e digitar ebook gratis que pinta um pacotaço de sites/blogs oferecendo um monte de titulos gratuitos.
Primeiro - não são gratuitos
Segundo - não são e-books

E-book é EPUB, e não tem conversa. pdf é muito bom pra mandar pra amigos, pro cliente avaliar, pra impressão, mas e-book não é.
Tem gente oferecendo e-book em TXT!!! e em WORD!

Até os evangelicos tão apelando, e oferecendo um amontoado de asneiras como e-book.
A principal plataforma de busca (google) tá assim, apinhado de armadores. Imagino as outras.
Até o SuperDownloads entrou na moda do ebook falso, oferecendo programas para conversão de textos em pdf, e diz que isso é e-book.
Deve ser lá pros indianos, polinésios e outros convertores de livros impressos em ebook made in china/taiwan/paraguai.
É pavoroso ver a quantidade de ofertas de titulos e serviços gratuitos prometendo converter seu texto em e-book, ou te oferecendo vários títulos nesse formato, por preços irrisórios ou totalmente free, basta voce fazer um cadastro e alimentar a base de contatos que o dono do blog/site vai vender a preço de banana (caríssimo) pras editoras/empresas dispararem seus spamemails.

Infelizmente é assim que funciona. Tenta se faturar de qualquer maneira possível e imaginária, enquanto o verdadeiro motivo da nova mídia vai pro fundo do baú.
Vamos criar e-books, vamos passar para EPUB todas as publicações existentes impressas.
Vamos lançar novos autores em EPUB, e claro que o texto fazendo sucesso, fatalmente irá tambem pro mundo impresso.
Vamos fazera coisa do jeito certo, sem enganar ou tentar enganar ninguem.
E deixo mais uma vez registrado que e-book é um arquivo com extensão .epub.

Não se deixe enganar!
De graça. Nem injeção na testa!!!

31 de jul de 2010

Formato de capa dos e-books nos sites de venda

Interessante isso.
A Livraria Cultura, optou por um formato com os cantos arrendados nas capas de e-book.
Então fica assim. Livro impresso, capa com canto quadrado, livro eletrônico, também conhecido como e-book, capas com cantos arredondados.
Deve ser para o leitor não confundir, apesar de estar na página de livros eletrônicos, saber que aquela determinada obra com a capa de canto arredondado não é impresso, na verdade trata-se de um e-book.
Faz sentido, se voce levar em conta autores que te ligam perguntando sobre quando receberão um exemplar do seu e-book. E se voce tem o endereço da residência pra onde enviar.
Outros querem saber se podem imprimir uma cópia pra dar pra alguém. Ou pra si mesmo.
Acho que inda vai demorar um tempinho pros autores se acostumarem com seus livros eletrônicos.
Teve um que achou o preço muito barato, e estava com vergonha. Afinal, meu livro custa apenas 4 reais?
Difícil é difundir a idéia de literatura para todos a custo mínimo.
Se o custo da obra é ínfimo, então o preço para venda tambem deve ser. Afinal, não é o governo que bota preço nisso, portanto, podemos vender a preços mínimos sem estorquir ninguém. E todos podem usufruir disso.
Mas e quanto às capas dos e-books? Nós, designers, deveríamos estar pensando em outro enfoque para as capas, já que o e-book não tem orelha nem 4ª capa.
O formato real do e-book é o A5 (isso levando em conta os e-readers existentes).
Vamos pensar em como pode ser uma capa (capa?) uma imagem representando a obra.
Vamos lá, rapaziada, é hora de botar a mão na massa virtual do e-book.

Leitor de E-books: Kindle, IPad, Gato Sabido, Cultura, qual deles?

Sobre os e-readers, tá pintando uma controvérsia sem muito sentido.
No início a Amazon lançou o Kindle que só reconhece seus produtos. Mas tem boa tela para leitura.
Veio o Steve JObs com o Ipad, multifuncional, trezentos em um mas que para leitura não é lá essas coisas.
O Gato Sabido veio com um e-reader legal, ótima tela pra leitura, mas em preto e branco, e só pra leitura.
Daí pintou a emblemática. Qual escolher?
Não é bem assim.
A Amazon e o Gato Sabido têm um leitor de e-books apenas para se ler os textos, inéditos ou já publicados em papel (no caso dos já publicados é pdf! Bonito mas nada funcional).
O Ipad tá se lixando pra leitura, o enfoque maior são as funcionalidades do aparelho.
Daí, se voce quizer um reader pra ler livros não vai usar Ipad.Se quizer um reader pra mostrar pros amigos, pra navegar, twittar, ver novidades online, aí sim, deve usar o Ipad.
Vem aí o da Editora Cultura, ainda não sei qual é a dele. Temos que esperar pra ver.
Mas enquanto isso a Cultura disponibiliza em seu site vários aparelhos: Aluratek, Inc., Astak, Barnes & Noble, BeBook (Endless Ideas), Bookeen, Cool-ER, Elonex, Hanlin, IREX Technologies, Lbook, Neolux Corporation, Onyx, Sonny. Todos à venda.
Imagina. Uma livraria vendendo aparelhos eletrônicos.
Tudo bem. Servem apenas pra ler mesmo. Eles vendem o e-book e te oferecem vários e-readers.
Enquanto isso, pra ler no computador, temos o Adobe Digital Editions (que uso) e o Saraiva Digital Reader.
Confesso que já dowloadei esse leitor da Saraiva mas ainda não usei. Apenas dei uma boa olhada no Manual.
Vamos ver como se desenvolve esses aparelhos e aplicativos nos próximos dias, nos próximos rounds.
Agora a coisa muda toda hora, sempre tem uma novidade despencando no front.
Legal isso, 2010 prometia e já cumpriu coisa pra caramba. Até o final do ano, muitas novidades surgirão.
Acho melhor esperar a próxima semana, primeira semana de agosto, e ver o que acontece.
Quais as próximas novas na área dos e-books?

20 de jul de 2010

Inanamated Alice

Pra quem quer curtir o futuro do e-book tá rolando na rede esse site:

http://www.inanimatealice.com/

Voce pode interagir na história. Clique nas setas >> direcionais.às vezes, voce tem que clicar numa imagem para dar continuidade na animação e à direita ficam uns ícones, formando uma espécie de barra de navegação.Voce escolhe o que quer ver, ou caminho seguir.A história usa textos, imagens e sons e dura aproximadamente 10 minutos cada.Ah sim, são 4 episódios em países diferentes.
Agora imagina você no metrô ou num ônibus, e ao invés de um livro, um reader com essa história. Provavelmente vai perder o ponto onde descer.

Vendas de e-books explodem na Amazon

Deu na folha online - 19/07/2010 - 18h51

Vendas de e-books ultrapassam as de livros com capa dura na Amazon

A Amazon, fabricante do leitor eletrônico Kindle, afirmou que as vendas de títulos para o e-reader ultrapassaram as vendas de livros com capa dura na livraria on-line pela primeira vez.
"Alcançamos um ponto com o novo preço do Kindle --o crescimento das vendas unitárias do Kindle triplicou desde que baixamos o preço de US$ 259 para US$ 189", disse o executivo-chefe da Amazon, Jeff Bezos, em comunicado.

Pra ler a matéria:

http://www1.folha.uol.com.br/tec/769338-vendas-de-e-books-ultrapassam-as-de-livros-com-capa-dura-na-amazon.shtml

Aqui na terra, estamos fazendo nossa parte.
O e-book O rigor da forma da Vera Carvalho Assumpção, também tá acontecendo.
Como diz o anúncio do aipim: Fui eu que fiz. Até a capa. Mas vou mudar por que ela merece um trabalho mais elaborado.

15 de jul de 2010

Adobe InDesign CS 5 - complementação para as novas mídias

Prá quem tá ralando, diagramando paginando montando páginas para impressão com o CS4, esse não mudou muito não.
Tem boas coisas que ajudam no dia-a-dia da ralação.
Mas pra quem tá pesquisando, descobrindo novas áreas no mundo virtual, aí tem coisa boa paca.
Confesso que não usei o CS4 muito tempo, curti bastante o CS3 para impressão.
Não consegui me aprofundar nos cripts para web, nem nas facilidades que oferece para acompanhamento de estilos variados.
Mas em termos de web e e-book, tava devendo. E Muito.
Daí veio o CS4 com saídas para xhtml redondas, usando melhor as CSSs.
Para impressão não sei, confesso que não vi nem vivi.





Agora o CS5, com saídas de xhtml, css, saídas para animações (voce pode criar nele mesmo), inclusão de sons e etc.Parece que estou virando programador. E eu que brigava com o Flash por se tornar programável demais.
O Indesign CS5 tem muitas coisas realmente boas mas o que interessa mais nesse post é a parte sobre e-books.
Imagina que o CS4 já tinha avançado muito nessa área, e agora, o CS5 vem completemntar tapando os furos, complementando o que mais queríamos que o programa fizesse.
É uma pena que não temos tempo de usar todo potencial que cada programa oferece.
Lá se foi a época em que o PageMaker 6.5 reinou absoluto durante anos.
Agora fazemos impressos, virtuais, animações, transformamos arquivos para impressão em arquivos maleáveis para ser lido em qualquer em formato.
É como se pegássemos a transformação do som do vinil em cd e criássemos o mp3, mp4 e por que não? cinema. Filmes.
Mas isso fica pra outro post. O que o CS5 está acrescentando nas saídas para a mídia virtual?

O 1º e-book brasileiro



Tenho certeza que o 1º texto a ser feito e publicado em e-book no Brasil foi A amnésia da formiga, texto da Valéria Trigueiro.
Muitas editoras anunciam ser a primeira no mercado de e-books. Tudo bem.
Mas em novembro de 2009 eu registrei no ISBN e coloquei no ar, na época era freitasbastosebook.com.br, uma aba da editora de livros impressos.
Coloquei de início 20 títulos em e-books.
Depois a loja virtual mudou de forma, a pagina que eu havia feito de forma cronológica de conversão para e-books foi mudada e a ordem de publicação se perdeu.
Mas resta o registro de ISBN na Biblioteca Nacional, onde constam minhas publicações de 2009. Hoje tenho 100 títulos, poderia ser mais, se não fossem outros trabalhos paralelos na editora.
Voltando ao assunto, como 2010 é o ano do e-book no Brasil, quero lembrar a todos que 2010 começou em 2009.
Mais precisamente em novembro.
Talvez antes, já que desde julho eu quebrava a cabeça tentando transformar o texto de um livro para impressão em um texto virtual.
Só para complementar, PDF não é e-book.
E-book é EPUB.
Mas sobre essa diferença voce pode ler num outro post aí embaixo.






5 de mar de 2010

Como transferir seus e-books para um Sony Reader

Transferência de itens para um Sony® Reader

Adobe Digital Editions permite transferir itens de sua biblioteca para um Sony® Reader.
Para tornar o modelo PRS-505 compatível com Adobe Digital Editions e ter o PRS-505 original, é necessário primeiro fazer o download do atualizador de firmware e da nova versão da biblioteca Sony eBook do site do produto Sony® Reader PRS-505* e instalar no modelo PRS-505.

Observação: é importante instalar a biblioteca Sony eBook além do update do firmware PRS-505, pois isso instalará os drivers necessários. Depois que os drivers estiverem instalados e o PRS-505 estiver atualizado, será possível continuar na etapa abaixo.

Conecte o Sony® Reader ao computador e inicie o Digital Editions.
O Digital Editions detecta automaticamente a presença de seu Sony® Reader e oferece para autorizá-lo com sua ID Adobe.

Se você não tiver autorizado o Digital Editions com o computador, será necessário primeiro concluir isso (o Digital Editions o guiará nesse processo: consulte o tópico Ativação e Autorização).
Ambos, o Digital Editions e o Sony® Reader devem ser autorizados para transferirem conteúdo protegido de e para o Sony® Reader.
O conteúdo não protegido pode ser transferido de e para o dispositivo sem autorização do dispositivo ou do Digital Editions, mas a Adobe recomenda a autorização do Digital Editions, pois isso fornece portabilidade de conteúdo a seus livros protegidos, no Digital Editions ou no Sony® Reader.

Após a autorização, o Sony® Reader é exibido como uma nova estante de livros na biblioteca. Você pode transferir itens de e para a estante de livros Sony® Reader exatamente como o faz em outras estantes de livros na biblioteca.

É possível ler (e também marcar) livros que estão no Sony® Reader ou em seu próprio computador.
É possível inclusive ler livros fora do Sony® Reader de seu amigo (apesar de não ser possível transferir livros de seu Sony® Reader para o computador ou vice-versa).
Importante: não desconecte o Sony® Reader enquanto transfere itens de biblioteca de e para o computador.

Observação: anotações de texto no eBooks são exibidas como marcadores no Sony® Reader.

Se precisar de suporte para o Sony® Reader, visite o site de suporte Sony®:

Modelo PRS 505* (http://esupport.sony.com/US/perl/model-home.pl?mdl=PRS505&region_id=1)
Modelo PRS 700* (http://esupport.sony.com/US/perl/select-system.pl?PRODTYPE=74&NAVDISP=portaud)

Adobe® Digital Editions - compra de ítens on-line

Compra de itens on-line

A compra de itens on-line consiste em duas partes: a parte do e-commerce na qual você paga pelo item e depois faz o download do item para seu computador.
Depois de pagar pelo item ou itens e ser solicitado a fazer o download dele(s), o Adobe Digital Editions e o servidor do site do eBook realizam uma conversação durante a qual o servidor do eBook envia ao Adobe Digital Editions o conteúdo do item.
Será exibida uma caixa de diálogo "Baixando" (geralmente) por um curto período.
Uma segunda caixa de diálogo informando "Autorizando conteúdo" será exibida; nesse momento, o Adobe Digital Editions recebe a capacidade de ler o item que você baixou.
Em seguida, o item será exibido.

Empréstimo de itens da biblioteca

Você pode emprestar itens de várias bibliotecas públicas para usar com o Adobe Digital Editions. O processo de download é muito semelhante à compra de itens on-line exceto que você não paga por eles. Quando o item estiver em sua biblioteca, será exibido um "banner" indicando quanto tempo resta para o item expirar. Quando o item expira, ele permanece em sua biblioteca, mas não é possível lê-lo. É necessário excluí-lo para removê-lo da biblioteca. Você também pode devolver os itens antecipadamente se tiver terminado de lê-los. Às vezes isso é desejado, pois as bibliotecas limitam o número de itens que podem ser emprestados por vez. Basta clicar no menu Info do item e selecionar Retorno antecipado.

Classificação da biblioteca

Depois de os itens estarem em sua biblioteca, existem duas maneiras de exibir o conteúdo de qualquer estante de livros.
É possível exibir miniaturas dos itens. A miniatura é a página de capa do item (ou apenas a primeira página se não houver uma capa).
Nessa exibição, você verá um conjunto de miniaturas e algumas informações sobre cada item (autor, título).
Também é possível classificar a ordem na qual os itens são exibidos, por autor, título, data de criação, número de páginas, etc.
Se quiser ver mais itens de uma vez ou classificá-los de forma mais fácil, alterne para o modo Listar itens.
Esse modo exibe uma exibição de tabela dos itens em uma estante de livros.
Você pode classificar a lista clicando em um cabeçalho de coluna (como Autor ou Número de páginas).
Tudo sobre estantes de livrosAs estantes de livros fornecem exibições de sua biblioteca.
Estantes de livros diferentes mostram exibições ou seleções diferentes da coleção completa de itens na biblioteca.
O aplicativo possui dois tipos de estantes de livros: inteligente e definida pelo usuário. Existem quatro estantes de livros inteligentes, que são definidas pelo aplicativo:

• Todos – exibe todos os itens da biblioteca
• Emprestados – exibe todos os itens da biblioteca que foram emprestados de uma biblioteca
• Comprados – exibe todos os itens da biblioteca que foram comprados
• Lidos recentemente – exibe os itens que foram lidos nos últimos 30 dias

Você não pode afetar ou alterar o conteúdo ou condições das estantes de livros inteligentes (exceto adicionando itens ou removendo-os da biblioteca).

As estantes de livros definidas pelo usuário são aquelas que você cria e controla.
É fácil criá-las. Basta clicar no botão "+" na parte inferior do painel esquerdo, ou selecionar Adicionar estante de livros no menu Opções, também na parte inferior do painel esquerdo.
É possível colocar qualquer nome em uma estante de livros, mas esse deve provavelmente ser significativo e não muito longo.
Para preencher sua estante de livros, você pode arrastar os itens de uma outra estante de livros (incluindo estantes de livros definidas pelo usuário) e soltá-las em sua nova estante de livros.
Observe que isso não as move de uma para a outra; apenas copia as estantes de livros para a nova estante de livros.
Não há limite com relação ao número de itens em uma estante de livros definida pelo usuário.
Para remover itens de sua estante de livros, selecione o item (ele é realçado com um fundo cinza claro) e pressione Delete (Excluir).
Alternativamente, você pode usar o menu do item, que fica acessível quando o item é selecionado, por meio do pequeno triângulo cinza no canto superior esquerdo do item selecionado.

Observação: algumas livrarias on-line vendem itens sem proteção de DRM. Isso é raro, mas pode se tornar mais comum com o tempo. Atualmente, tais itens não aparecem na estante de livros Comprados.

(Extraído da página da Adobe Systems Incorporated - www.adobe.com e www.adobe.com.br - todos os direitos reservados)

Como utilizar o Adobe® Digital Editions - Autorização

Introdução

Você pode instalar o Adobe® Digital Editions em seu sistema de diferentes formas. O mais simples é acessar a página do instalador a partir da qual basta simplesmente instalar o Adobe Digital Editions. Alternativamente, você pode ser solicitado a instalar o Adobe Digital Editions ao comprar ou emprestar um item da biblioteca. Nesse caso, a instalação faz parte do processo de download. Antes da instalação do Adobe Digital Editions, feche todos os aplicativos abertos, principalmente o software Adobe Acrobat® ou Reader®.

Em ambos os casos, você é solicitado a confirmar se está ciente de estar instalando um aplicativo com "privilégios completos". O Adobe Digital Editions não é apenas um aplicativo da Web, é também um aplicativo com muitos recursos que grava alguns arquivos pequenos em seu disco rígido.
Em seguida, será solicitado que você aprove a instalação real. Após um download rápido, o Adobe Digital Editions é iniciado e você é solicitado a aceitar o EULA (Contrato de licença de usuário final).

Ativação e autorização

Após a instalação, o assistente de configuração avisa para ativar o Adobe Digital Editions (é necessário estar on-line durante esse processo).
Durante a ativação, você tem a opção de autorizar seu computador com uma ID Adobe.
Se você não tiver uma ID Adobe, a criação de uma é gratuita e leva apenas um minuto. A ID Adobe permite transferir itens protegidos por DRM (Gerenciamento de direitos digitais) entre vários computadores ou dispositivos e restaurá-los após uma perda de dados ou reinstalação do sistema.
Uma ID Adobe também inclui uma associação à Adobe, que permite acessar downloads de avaliação, centenas de extensões de produto gratuitas e áreas especiais da comunidade.
Permite também que você visualize e gerencie sua atividade na loja mundial da Adobe.

A Adobe recomenda que você autorize seu computador na ativação inicial para proteger seu conteúdo digital. Se escolher autorizar posteriormente, você pode fazê-lo selecionando Biblioteca > Autorizar computador.

Após a ativação, todos os livros, revistas ou outros documentos adquiridos anteriormente com o software Adobe Acrobat® ou Reader® serão migrados para o Adobe Digital Editions.
Esse é um processo relativamente rápido.
O Adobe Digital Editions abre cada item e verifica novamente sua licença de usuário.
Se você não tiver itens protegidos por DRM, não precisa estar on-line durante a migração.
Se tiver um número grande de itens (por exemplo, mais de 100), então esse processo pode demorar um pouco, mas será exibida uma barra de progresso indicando o estado da migração, conforme ela é executada.
Observação: itens adquiridos anteriormente de uma biblioteca pública com o software Adobe Acrobat® ou Reader® não serão migrados para o Adobe Digital Editions.
Será necessário devolver o item da biblioteca e então pegá-lo novamente emprestado usando o Digital Editions.
O Adobe Digital Editions faz então alguma organização (configuração do manifesto e de atalhos de aplicativo) e inicia.