11 de jun de 2008

PDF fechado para impressão: os problemas que poderão advir

Muito cuidado quando enviar arquivos para impressão através de email, msn messenger ou fpt.

Existem gráficas que não trabalham com o InDesign, e aí não adianta fechar um pacote para impressão. Como fazer para não correr riscos quando seu trabalho foi feito todo no InDesign, já está revisado, aprovado e fechado mas o pessoal da gráfica não têm o InDesign? A solução imediata é um pdf. Você exporta para PDF em alta resolução, adicionando fontes, linhas de cortes, tabelas de cor e etc. Mas será que só isso basta? Pois tive uma surpresa incrível com um trabalho onde o pdf abriu na grafica sem a fonte New Times Roman Italic. Todas fontes abriram, inclusive as New Times Roman Regular e Bold, menos a Italic.
O interessante é que no lugar do texto em itálico não ficou nada, apenas espaço. E o camarada lá da gráfica disse que o pdf ao abrir não acusou nenhum erro.
A gráfica, como não possui todos os programas de editoração, como a maioria delas, recorrem a uma saída simples: recebem qualquer pdf, importam para o Corel Draw, paginam o trabalho e dão saída daí, do Corel. Seja para fotolito, para vegetal ou qualquer outra coisa. Acaba sendo um trabalho automático. O camarada recebe o arquivo em pdf, nem abre, importa pro Corel (às vezes vai mais rápido, na base do Crtl C Crtl V mesmo) e pronto. Repaginam ou conferem se abriu e dão saída no arquivo. Como o texto do InDesign é corrido, quando uma fonte não abre (incrível não ter havido recíproca do programa) o texto não corre, permanecendo um espaço branco onde deveriam aparecer as fontes (os textox) sumidas. E aí fica um buraco no texto.
Neste caso que me aconteceu, a melhor e mais rápida saída foi exportar o trabalho todo, pagina por pagina, em arquivos separados, em imagens jpg em alta resolução. CMYK claro, era pra gráfica. O camarada da gráfica recebeu as imagens, importou pro Corel e deu a saída que precisava dar. Sem problemas. Sem problemas uma ova!
Se o programa foi feito para exportar para impressão, e exportou, então por que houve o erro? E que negócio é esse de tranformar textos em imagens para impressão? Imagine um livro de 1.800 páginas, ou uma revista ou catálogo ou lista de ruas ou telefônica? Decididamente não é a saída.
Ou você produz seu trabalho num programa que a gráfica ou birô tenham, ou acho que já passou da hora de todos usarem os mesmos programas. Enquanto isso, vamos transformando tudo em imagens para impressão.Você sabia que quando faz um trabalho no Corel Draw, e transforma em curvas, as letras engrossam? Elas se deturpam. Claro que nenhum leitor vai ficar ali olhando pro contorno das letras pra ver se estão ou não legais, se estão certinhas. Não existe um trabalho tão refinado que não se possa usar este recurso (ótimo). Pena que o Corel não desenvolveu um editor de texto à altura da demanda. Sempre ficou atrás dos produtos da Adobe. Também, Corel, em artes gráficas é ótimo para trabalhos de pouco texto, ou melhor, sem blocos de textos, tipo cartazes, panfletos, filipetas, anuncios. Muito bom para criar capas. Pena que nas capas de livros, os textos de orelhas sofram um pouco, e não são muitos os bons profissionais que sabem criar uma orehla no Corel que fique redonda. Tem uns malucos que usam umas fontes boas de títulos, que não possuem caixa baixa, e botam essas fontes nas orelhas, em corpo pequeno. O resultado é uma coisa pavorosa, criando rios entre as colunas, aqueles espaços brancos entre as palavras. Coisa de doido. Ou de designer. Mas voltando ao papo do InDesign para impressão.
É pedreira, cada dia voce descobre uma coisa nova. Aliás duas. Uma boa e outra ruim. Daí você resolve o problema, e aprende que da coisa ruim veio uma outra boa, ou seja, aprendeu mais um pouco. E é isso aí. Ninguem sabe tudo, ninguem conhece tudo sobre esses programas e suas capacidades. Nem seus truques e defeitos. Vivendo e aprendendo.
E fazendo. Isso sim é o principal.
Já se dizia que só não erra quem não faz.
Seja voce, o cara da grafica ou do birô, seja o impressor, a máquina de dobra ou corte, ou mesmo o distribuidor.
Só quem não pode errar são o vendedor e o editor.

Valeu.

Desculpem o desabafo

2 comentários:

Maitê disse...

Cara, sou diagramadora de livros, utilizo o in design cs3 e também o corel para capas.. tudo isso que vc falou é verdade, passo por essas coisas constantemente. No indesing é assim, vou sempre descobrindo uma coisa nova...
Mas, vc pode corrigir esse problema de fontes. Se, ao gerar o pdf por impressão (através da caixa de diálogo imprimir), vc estiver utilizando o drive "adobe pdf" e clicar em setup e depois em preferências,na opção "standard", por exemplo, na parte fontes, repare se há fontes na lista "always embed" e "never embed" o ideal é retirar todas as fontes destas duas listas; ou mesmo usar ao inves do "standard" o "PDF/X-1a:2001" onde estas listas estão limpas. Se vc faz pdf através do Acrobat distiler também pode fazer isso lá.
No corel Draw, há esta inconveniência com blocos de textos, mas a corel vem tentando corrigir este problema, na versão X4 já é possivel hifenizar automaticamente os textos (no menu text, há os sub-menus "use hyphenation" e "hyphenation settings")e pode-se também forçar a hifenização(Shift+-). Não me lembro se no X3 já era possível, acho que eu fazia manualmente. O problema é que há usuários que ainda estão acostumados às versões anteriores ou mesmo que não sabe lidar com textos e muitas fezes a arte da capa é bonita, mas o tratamento dos textos derrubam a capa...
bom, um abraço

(Maitê)

Jair Domingos de Sousa disse...

Pois é Maite.
No corel 13 (X3) tem essa opção sim.

Jair