25 de mar de 2008

A HISTÓRIA DA VIDA DO FILÓSOFO GREGO XERXES ARISTOTELIQUOS PEREIRA DE OLIVEIRA, QUE ENTRE OUTRAS COISAS, INVENTOU O QUEIJO FEITO DE LEITE DE CABRA

Continuando o texto de amanhã.
Como Xerxes (lembram dele?) era um garoto muito esperto, fazendo bonito na roda de amigos, paquerado pela meia dúzia de greguinhas tacanhas do bairro, aquele tipo de cara que começa qualquer frase, mesmo que seja uma resposta à qualquer pergunta com:
- Então..., como hoje responde qualquer celebridade entrevistada por qualquer energúmeno pseudo entrevistador, resolveu um belo dia chacoalhar a cabra pra ver o bicho que dava.
Desculpem, tá estranho. Ele não chacoalhou a cabra, nem chegou junto da cabra, também não precisava, afinal tinha a tal da empregada/ajudante/faz-tudo etc e tal. Não é nada disso. O lance é que o cara tava lá de bobeira no pasto, olhando a mesma paisagem de sempre com aquelas cabras vagabundeando pelas montanhas sem nenhum lugar definido pra ir, mais chateadas que o próprio dono, afinal essas paisagens são bonitas no cinema que além de música duram poucos segundos, imagina você ficar andando sem rumo sem pressa sem nada numa montanha chata cheia de pedras capim mosquitos e outras merdas mais, o dia não passa nunca. E assim tavam eles lá, o Xerxes e as cabras e nada de novo iria acontecer se não fosse a intervenção divina da fabulosa empregada/ajudante/faz-tudo que pintou na área correndo esbaforida gritando Xerxim Xerxim Xerxim...Descia a montanha numa corrida tão grande que tropeçou caiu quicou três vezes levantou correu novamente caiu de novo quicou outras três vezes e só parou de rolar quando já tava a menos de dois metros do cara que abestalhado só balbuciava caraca caraca caraca muito mais de três vezes - a cada quidada era uma caracada - e mais abestalhado ainda pergunta pra galeguinha digo greguinha que parara finalmente dentro do balde de água para aliviar a sede dos personagens: caramba mas que maluquice é essa de você brincar de pular no balde cheio de água com esse ganço debaixo do braço? – E a greguinha responde séria: pô, acabei esquecendo do bicho que eu tava depenando e que quase se afoga agora. – Ta bom, diz Xerxes, depois a gente cuida disso, mas o que foi que houve? O que está acontecendo? Quem morreu? Que dia é hoje? Que horas são? – Dá pra sacar que o cara era meio desligado, né. E a greguinha faz-tudo-de-boa-vontade-pau-pra-toda-obra: Ferrou patrãozinho, as vacas pararam de dar leite. Acho que é uma greve, epidemia ou o fim do mundo. E o greguinho com cara de idiota: Ué, que qui tem se elas não querem mais dar leite? – E a greguinha boazudinha: Ah? entendeu não? Ta doidão, ta? – E o greguinho babaca: Qualé? – E a greguinha já rebolando a traseira com as mãos na cintura, segurando a saia pra não cair (ela usava uma saia estampada muito bonita mas que com a queda e o fato de já ter passado do prazo de validade de uso –a saia – tava toda em farrapos, já não tapando nem mais a tatuagem tribal que trazia no cocix, e mesmo assim a greguinha inda segurava os farrapos talves de vergonha das cabras ou talves pelo costume que toda greguinha tem de segurar a saia mesmo que esta esteja em farrapos e mesmo que já não cubra nem mesmo a tatuagem tribal do coccix mesmo, né não? E tava lá a greguinha segurando o ...e o idiota do cara olhando pra cara dela e...- Te explico, disse a greguinha, se as vacas não mais derem leite os Bacanas ficarão sem queijo, oras pois, e aí...
E aí o babaca do Xerxes interrompeu a garota nervosa quase nua nos farrapos que mal tapavam a tatuagem tribal no cocccix e a incrível idéia de fazer queijo com leite de cabra ficou para outro hora já que ele tava mais interessado era nas pernas da graguinha e não nas tetas das cabras o que pensando bem era o certo a fazer, pelo adiantado do papo que só iria acirrar os ânimos, né não? E assim a bela e fabulosa boazuda empregada/ajudante/faz-tudo esqueceu do mundo e a paisagem ficou bem mais interessante com aquele engalfinhar de mato sendo amassado e pedras rolando e as cabras pulando dum lado pro outro atiçadas com a cena nada dantesca (e Dantes nem existia ainda!) em pleno pôr do sol.
E o sol que tava a pino acabou desabando de vez.
E assim termina essa parte da nossa historia da invenção do queijo com leite de cabra, invenção essa que foi posterior a criação da mussarela de búfala, que não foi na Grécia Muito Muito Antiga e sim nas pradarias da Californication digo Califórnia milênios antes dos índios serem dizimados ou dizimarem o Gal. Custer, mas depois, amanhã talvez eu continuo o papo do queijo, isso claro se as cabras e a empregada/ajudante/faz-tudo boazuda permitirem.
Bom, então, até lá.

Nenhum comentário: